terça-feira, 28 de junho de 2016

Vou nascer outra vez


"Há sempre um tempo para parar
Saber se vale a pena
Ou fico ou mudo a cena
É só contar até três
(Um, dois, três, vou nascer outra vez)
Fechar os olhos
(Um, dois, três, vou nascer outra vez)
Respirar bem fundo
(Um, dois, três, vou nascer outra vez)
Começar de novo
(Um, dois, três, vou nascer outra vez)"

segunda-feira, 20 de junho de 2016

"A vida resolve-se sozinha"

É o que costuma dizer a minha colega de casa. Normalmente tendo a não concordar com a frase, porque acho que nada cai do céu. As coisas conseguem-se com trabalho, com dedicação, com esforço. Quanto mais nós lutarmos por um objectivo, mais possibilidades temos de o concretizar.

No entanto, neste momento da minha vida, acho que esta frase me assenta mesmo bem. Esta segunda-feira aconteceu algo bom. Que é apenas um pequeno passo para um objectivo (profissional) que eu já tenho há largos anos. Mas, excepção feita ao acontecimento de hoje, tal como eu disse num post anterior, não tem acontecido ultimamente nada de excepcional na minha vida para me trazer tamanha tranquilidade. Mas é mesmo assim que me sinto: tranquilo, confiante, feliz com as pequenas coisas da vida. Neste momento, diria que a minha vida tem-se vindo a resolver sozinha.

domingo, 19 de junho de 2016

Oh Fernando Santos, vai para o caralho!

Que vergonha! Pior início de uma fase final desde que me lembro de ver futebol, sobretudo tendo em conta o grupo acessível que temos - e que neste momento, quase parece o grupo da morte, uma vez que todas as selecções se podem apurar... Chega das desculpas do azar, da bola que não entra, da bola que vai ao poste e do raio que parta. Chega das desculpas de "ah, em 1984 também empatámos os 2 primeiros jogos, e chegámos à meia-final". Chega!

É inacreditável a quantidade de erros nas opções de Fernando Santos. Este Moutinho NÃO TEM LUGAR no onze. Pura e simplesmente não tem! É inacreditável que aquele que foi porventura o melhor médio da liga portuguesa não jogue 1 minuto sequer - refiro-me a Adrien. É inacreditável que não se utilize no meio-campo a base do jogo do Sporting. Epá, isto é tudo tão gritante... William, Adrien e João Mário, é tão fácil! E note-se a diferença do primeiro jogo com Danilo e do segundo jogo com William - para mim, claramente o melhor em campo. É inacreditável que se continue a insistir no pino do Éder, mas torna-se ainda mais inacreditável que se lance o Éder quando já se tirou o jogador que melhor cruza para a área (Quaresma), ainda que não estivesse a fazer grande jogo - mas haja coerência, ou se tira Quaresma e não se aposta no pino, ou aposta-se no pino mas deixa-se o Quaresma. É inacreditável que se mexa na equipa tão tarde (70min) e com uma visão de jogo tão fraca. É inacreditável que se lance um jogador aos 88min - o que é que era suposto o Rafa conseguir fazer em 3 ou 4min?! Rafa merecia mais! É inacreditável que, no primeiro jogo, se tenha colocado João Mário à esquerda, queimando o jogador numa posição que lhe é estranha. É inacreditável que, embora hoje tenha melhorado (inclusive salvou a equipa uma vez), se continue a apostar em Vieirinha em vez de Cédric, que foi SÓ o melhor lateral direito da Premier League na última época.

É também inacreditável que não haja coragem para tirar Cristiano Ronaldo quando claramente não está bem. Hoje vimos Alaba a sair, que é só o melhor jogador da Áustria. Já vimos Messi a sair da sua selecção. Mas CR7 não, CR7 joga sempre 90min, jogue bem ou mal. Isso é errado. Para já, não protege o jogador. Segundo, prejudica a equipa. Sou grande fã de Cristiano Ronaldo, para mim é o melhor jogador que já vi, um super atleta. Mas quando não está bem, deve dar lugar a outro. Ponto. CR já anda todo roto, notou-se bem no último mês no Real, inclusive teve problemas físicos (numa coxa, salvo erro). Não se pode esperar milagres, e quando está a jogar efectivamente mal, deve ser substituído. Não é nenhuma vaca sagrada, nem ele nem ninguém!

Por fim, mais uma vez, nota-se má preparação do jogo. Pouca pressão alta - das poucas vezes que foi feita, foi eficaz, a defesa da Áustria ficava nervosa, mas faltou fazer mais vezes... Jogo lento - contra equipas mais fracas, deve-se fazer um jogo mais rápido, para desmontar o posicionamento defensivo. Enfim...

Isto é uma vergonha. Não tem desculpa. É inadmissível. Uma selecção com tanto talento e entregue a um seleccionador medíocre, que pura e simplesmente não sabe mexer no jogo! É assim que dizem que querem ser campeões europeus? A probabilidade de me sair o Euromilhões é maior...

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Estou fixe. Estou mesmo fixe!

Estou numa fase da vida em que estou mesmo bem comigo próprio. Em paz, tranquilo. Não, não me aconteceu nada de extraordinariamente bom. Não me saiu o Euromilhões, não arranjei um trabalho melhor, não me casei (solteiro e bom rapaz, assim é que eu estou bem :P), não vou ser pai, não me aconteceu nada de espectacular. Simplesmente estou numa fase em que estou muito tranquilo.

Aliás, até me arrisco a dizer que foram as recentes adversidades que me levaram a isto. Os últimos tempos foram um bom abre-olhos. O facto de ter estado tanto tempo de baixa (de Janeiro a Abril), e na situação em que foi, em que pela primeira vez fiquei realmente assustado e podia não ter sobrevivido... Acho que isso me fez encarar a vida de outra forma. Isso mudou muita coisa em mim, algumas que são mais visíveis aos olhos dos outros, outras que só eu sei e guardo para mim.

Há duas coisas em que acho que mudei realmente muito... Acho que aprendi a aceitar melhor as coisas que não posso mudar. O conformismo sempre me fez muita comichão e tinha muita dificuldade em aceitar algumas coisas, lutava até à exaustão para "mudar o mundo". Hoje, já aprendi que há coisas que não podemos mudar, que não dependem de nós. Outra coisa que mudou em mim foi a auto-estima e a auto-confiança... Tive aí uns tempos em que andava com a auto-estima na lama. Achava-me sempre pouco, insuficiente. Acho que isso também mudou um pouco. Percebi que tenho valor, que valho a pena.

E estou assim, tranquilo da vida. Menos ansioso com as coisas, menos focado em querer tudo para ontem. A aproveitar cada momento, cada aprendizagem. Estou numa fase boa. E quando assim é, sei que as coisas boas hão-de começar a surgir. A seu tempo, sem pressas.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Há 2 anos fomos passar férias ao Brasil... Será que agora vamos passar férias a França?!

Bem sei que estou em falta com muita gente, entre e-mails para responder e blogs para visitar. Mas as últimas 2 semanas foram intensas. Primeiro em diversão, ao ir a casa no meu aniversário (foram só 4 diazinhos, mas foram do caraças!!!). Depois em trabalho (e também alguma diversão, vá). Daí andar mais ausente. Mas prometo que nos próximos dias irei responder a todos os e-mails e passar pelos blogs.

O que hoje me leva a escrever é a azia monumental em relação à Selecção Nacional de Futebol.

Primeiro, a malta já devia ter aprendido a não cantar de galo (quanto mais não seja, depois de 2014...ainda hoje me rio ao lembrar entrevistas a adeptos que diziam que a final do Mundial seria Brasil-Portugal!). A tesão de mijo resulta sempre num velho ditado português: a montanha pariu um rato. Segundo, acho inacreditável a falta de apoio no estádio. Os islandeses estavam em clara minoria, e ainda assim só se ouvia o apoio deles. Se os emigrantes se preocupassem menos em ir para a porta das unidades hoteleiras em histerismo com o Cristiano Ronaldo e se lembrassem que o apoio mais importante é no estádio...... Terceiro, que opções vergonhosas.

Nem sei por onde começar... Devo começar pelo facto de se deixar no banco o melhor lateral direito da Premier League (Cédric) para jogar o Vieirinha? Devo começar pelo facto de se pôr a jogar Moutinho (que esteve parado por lesão grande parte da época e que está em baixo de forma) e se deixar no banco jogadores como Rafa Silva ou Adrien Silva? Devo começar pelo facto de se pôr João Mário a jogar na ala esquerda, posição na qual não está rotinado, uma vez que joga ou pelo meio ou pela direita? E ainda posso continuar pelo facto de Danilo fazer um jogo miserável (perdeu TODOS os duelos no ar que disputou) e ainda assim jogar os 90min... E ainda posso continuar com a novela Quaresma, que justificava a titularidade e que, supostamente, a teria perdido devido a lesão, mas no fim do jogo o mesmo veio dizer que não foi titular por opção técnica...

E ainda há outro facto gritante. Sem qualquer clubismo... Mas um seleccionador com olhos na cara aproveita SEMPRE as rotinas que vêm dos clubes. A base da Espanha campeã europeia (2008 e 2012) e mundial (2010) vinha do Barcelona (e também do Real Madrid). A base da Alemanha campeã mundial (2014) vinha do Bayern de Munique. A base da actual Itália é a Juventus. E quem não se lembra de 2004? Scolari, então seleccionador de Portugal, depois do desaire com a Grécia no jogo inaugural, decide apostar na espinha dorsal do Porto que tinha ganho a Champions (Deco, Maniche e Costinha) e ganhou consistência. Fernando Santos deve ser o único seleccionador do mundo que desperdiça uma espinha dorsal tão consistente como o meio-campo do Sporting... William Carvalho, Adrien e João Mário são jogadores que jogam de olhos fechados - inclusive os dois últimos fizeram a sua melhor época de sempre! Este facto torna-se ainda mais gritante se pensarmos que, até há 1 ano atrás, mais jogadores tinham rotinas a jogar juntos, pois eram TODOS titulares indiscutíveis no Sporting: Patrício, Cédric, William, Adrien, João Mário e Nani.

Outra coisa igualmente inacreditável foi a quantidade de bolas pelo ar... A Islândia é uma equipa com estatura bem superior à nossa (do 11 inicial, 9 tinham mais de 1.85m). Porquê insistir, tantas vezes, em jogo directo, sem critério? O mesmo se aplica em relação aos cantos. Insistiram demais nas bolas pelo ar, em vez de fazerem cantos curtos, com jogadas estudadas. Mas esta malta estudou mesmo a equipa da Islândia, ou estas semanas de estágio serviram para quê?! Onde é que estava a preparação do jogo?!

Epá, não sendo propriamente um grupo "piners" (a Islândia chutou a Holanda para fora do Euro, na fase de qualificação!), mas temos um grupo bem acessível. Tínhamos a obrigação de passar a fase de grupos. Mas, para variar, temos sempre que complicar as coisas e andar de calculadora na mão. Claro que facilitava imenso se o Fernando Santos deixar de inventar...

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Mudasti! (juntei-me à irmandade das séries)

Quem é que disse que as pessoas não mudam, hum? Ok, não mudam a nível de carácter, porque é algo que ou se tem ou não se tem. Não se muda de valores, de ideais. Mas os gostos vão mudando ao longo da vida.

Nunca fui um gajo de séries. Quer dizer, não seguia séries. Limitava-me a ver um ou outro episódio de algumas séries, na TV, mas sempre de forma random. Muitas vezes até preferia mesmo ver séries com episódios fechados, ou seja, em que não obrigasse a uma continuidade da história. Algo tipo Criminal Minds ou CSI, em que cada episódio é um caso. A primeira mudança ocorreu há 2 anos. Numa noite de insónias, apanhei uns quantos episódios seguidos de "The Big Bang Theory" na TV, achei tanta piada que acabei por decidir seguir a série. Despachei todas as temporadas até então em 2 meses, e depois comecei a seguir daí em diante. E tenho seguido até hoje. E durante 2 anos foi a única série que segui.

Até que, tal como já disse aqui no blog, por motivos de saúde estive uns meses de baixa. Ou seja, tinha tempo de sobra para tudo. Despachei os filmes que estavam nomeados para os Óscares enquanto o diabo esfrega um olho. E ia botando o olho a algumas séries na TV. Mas, mais uma vez, na desportiva: ligava a TV e ficava a ver o que ia dando, de forma random. Mas... comecei a entusiasmar-me. E eis que sou mais um que se junta à irmandade das séries :P

E este post surge a propósito de uma excelente série que descobri recentemente. Comecei a vê-la por sugestão de alguns amigos. E é genial! "Mr. Robot" ainda só tem uma temporada (a segunda começa em Julho) e dizem os entendidos que foi a melhor série que surgiu em 2015. É sobre hacking, mas o melhor da série nem é o tema em si. Mas sim a forma como é abordada. A narrativa, a imagem... E os plot twists! Alguns mais previsíveis do que outros, mas... O 8º episódio é o grande plot twist da primeira temporada. Não posso desvendar mais senão vou estar a spoilar, mas a série tem uns laivos de um famoso filme (quem conhece a série, sabe do que eu estou a falar). A série é tão viciante, que devorei a primeira temporada num instante - também são apenas 10 episódios, a maioria deles de 45min (sendo que o primeiro e o último são de maior duração). Aconselho vivamente. É só espectacular!

PS - Bem sei que não tenho ido aos vossos blogs... Irei tentar pôr a leitura em dia brevemente (daqui a uma semana e meia ou duas).
Real Time Web Analytics